11 . 2539.6470 / 11 . 2645.7298 / Whatsapp: (11) 96587-7395

Queixa comum entre as mulheres, a bananinha, aquela gordurinha que se instala logo abaixo do bumbum, é tão incômoda quanto difícil de eliminar. Em muitos casos, nem a mais rígida das dietas ou o mais completo programa de exercícios físicos é capaz de eliminar essa característica.

Para a cirurgia plástica, a bananinha também continua sendo um grande desafio. No entanto, não é preciso se desesperar, o problema pode ser melhorado! Com a ajuda de um cirurgião plástico experiente e qualificado, já é possível amenizar bem a bananinha e garantir um bumbum mais bonito. Saiba mais!

Em primeiro lugar, o que é a bananinha?

A bananinha ou banana fold é aquele acúmulo de tecido e gordura localizado na região abaixo dos glúteos e que compromete a estética do bumbum. Esse acúmulo de gordura pode apresentar variações de volume de um lado para outro do corpo, deixando o problema ainda mais evidente.

Em geral, a bananinha tem origem por fatores genéticos e congênitos, e também por uma alimentação desregrada, sedentarismo, mudanças hormonais, tabagismo, ou até mesmo pela passagem natural dos anos, que provoca alterações nas fibras de colágeno na pele, deixando-a menos firme.

Além de variações de volume, a bananinha também pode apresentar variações no formato: há pacientes como mais acúmulo de pele, e outras, de gordura. Por isso, ao pensar em recorrer a uma cirurgia plástica para melhorar o problema, é importante buscar um cirurgião experiente para que ele possa fazer uma avaliação individual e indicar a técnica mais adequada para o seu caso.

Como é um problema multifatorial — ou seja, não é provocado exclusivamente por má alimentação ou falta de exercícios físicos — a bananinha pode surgir até mesmo em mulheres cujo peso está dentro dos parâmetros considerados normais para o seu biotipo.

No entanto, investir em uma alimentação saudável, que prioriza carnes magras, frutas, verduras e legumes, e diminuir ou eliminar o consumo de açúcar, alimentos processados, frituras e farinha branca, ajuda a prevenir ou amenizar a questão da bananinha.

Apostar na prática regular de atividades físicas, principalmente na musculação, vai ajudar a tonificar o corpo e melhorar a flacidez. Isso também é uma excelente medida para quem quer se livrar da bananinha.

Nesse sentido, é preciso dar atenção extra aos exercícios que atuam sobre os músculos das coxas e glúteos, como agachamento, stiff, levantamento terra e afundo, e manter a prática regular. Para obter bons resultados, o ideal é se exercitar no mínimo três vezes por semana, durante 30 minutos.

Tratamento coadjuvantes, como a criolipólise e a radiofrequência focada, por exemplo, podem oferecer bons resultados quando associados a outras técnicas, porém ambos tem eficácia limitada na melhora da bananinha.

Me alimento bem e faço exercícios, mas a bananinha não vai embora. A lipoaspiração é a solução?

Sim, se a sua bananinha for decorrente somente de um acúmulo de gordura localizada. No entanto, é preciso lembrar que o problema pode também ser provocado por um excesso de tecido cutâneo e subcutâneo, e que a lipoaspiração, nesse caso, poderia até piorar o problema.

Isso porque a flacidez e o excesso cutâneo ficariam ainda mais acentuadas, sobretudo porque não poderá mais contar com a sustentação e preenchimento da gordura da bananinha abaixo dela. Com isso, você até conseguiria reduzir a bananinha, mais ganharia ainda mais flacidez e dobras de pele, o que comprometeria o resultado estético final.

Outros métodos não-invasivos podem até atenuar um pouco a flacidez ou mesmo reduzir levemente a gordura localizada, mas não eliminam de vez a bananinha. Nesse cenário, a lipoescultura e a lipoaspiração à laser surgem como potenciais soluções para quem quer se ver livre do problema.

O que é a lipoescultura?

A lipoescultura é uma técnica da cirurgia plástica que retira gordura localizada de uma região do corpo e usa-a para remodelar e melhorar o contorno corporal, preenchendo outras regiões que necessitam de maior volume e/ou melhor contorno.

Para realizar o procedimento, o cirurgião injetará na região a ser lipoaspirada uma solução que contém soro fisiológico, anestésico e adrenalina, cuja ação vasoconstritora reduz muito os sangramentos, grandes inchaços e manchas roxas comuns no pós-operatório de lipoaspirações menos cuidadosas.

Na sequência, cânulas de sucção bem finas são introduzidas através de uma mínima incisão. A cânula é manuseada gentilmente, em movimentos contínuos de vai e vem, que ajudam a soltar a gordura e a sugá-la – somente cirurgiões experientes têm condições de executar esse procedimento de modo correto e segura, garantindo os melhores resultados.

A gordura obtida durante esse procedimento, rica em células-tronco, é então separada dos demais líquidos num aparelho específico, e logo reposicionada em outras áreas do corpo, modelando as regiões receptoras. Não há risco de rejeição, por se tratar da gordura do mesmo paciente.

Esse tipo de procedimento cirúrgico dura entre 1 e 3 horas e é realizado sempre no hospital, com anestesia local e sedação, ou geral, segundo indicação do médico anestesista. A alta hospitalar é no mesmo dia, com o paciente em ótimas condições.

Afinal, a lipoescultura melhora a bananinha mesmo?

Quando bem indicada, a lipoescultura é uma técnica bem eficaz. A princípio, pode parecer fora de propósito realizar um procedimento cirúrgico que enxerta gordura no bumbum para resolver um problema provocado justamente pelo acúmulo de gordura na região. Mas para moldar a região, muitas vezes é necessário uma combinação de técnicas: remove-se a gordura onde ela está em excesso, e enxerta-se onde falta preenchimento.

Porém, é importante ressaltar que o procedimento não é indicado quando a paciente possui uma bananinha com excesso de pele flácida. Nesses casos, a modalidade mais indicada é a lipoaspiração à laser: o laser causará uma retração do tecido subcutâneo flácido, através da estimulação das fibras de colágeno. Entenda que o laser não é aplicado sobre a pele, e sim, sob a pele, dentro do tecido subcutâneo, no mesmo plano que a cânula de lipoaspiração.

Além disso, é preciso ter em mente que para obter o resultado desejado, o tratamento da bananinha precisa ser feito por um cirurgião plástico experiente, que conheça tanto as  técnicas quanto suas indicações, e esteja totalmente capacitado para executá-la.

Como é o pós-operatório da lipoescultura?

Após a cirurgia, a paciente pode sentir algum desconforto ao toque nas regiões operadas, que são aliviadas com analgésicos de rotina. Leve inchaço e mínimas equimoses (“amarelinhos”) na região também são comuns e esperadas, mas regridem espontaneamente com o passar do tempo e não apresentam qualquer gravidade.

Para garantir o melhor resultado possível da cirurgia, é fundamental seguir as recomendações médicas, prevenindo intercorrências facilmente evitáveis. Entre as recomendações mais comuns estão o repouso, alimentação balanceada, cinta modeladora, e sessões de drenagem linfática, que ajudam a eliminar o inchaço e melhorar a circulação local.

Também é importante seguir as recomendações do cirurgião plástico no que diz respeito ao tempo de afastamento da prática de atividades físicas e exposição ao sol.

Em quanto tempo é possível ver os resultados?

Ainda que em 2 a 3 semanas já seja possível ver alguns resultados da lipoescultura, a redução completa do inchaço das áreas operadas costuma acontecer por volta dos 2 a 3 meses, quando você terá uma ideia definitiva das melhoras decorrentes da lipoescultura.

Eu corro algum risco ao fazer uma lipoescultura?

Como qualquer outra cirurgia, a lipoescultura pode trazer riscos na sua realização quando: a) profissional médico não é qualificado ou não tem experiência; b) paciente não se encontra em condições físicas ideais para uma cirurgia; c) a indicação de cirurgia é inadequada ou incorreta; d) quando a cirurgia é realizada em local sem infraestrutura hospitalar segura.

Para minimizar qualquer chance de eventuais complicações, é fundamental escolher um cirurgião plástico capacitado e experiente, que opere em hospitais com infraestrutura completa, com equipe médica de ponta.

Passe longe de cirurgiões que oferecem procedimentos mais baratos, que podem ser realizados em espaços improvisados. Caso aconteça algum tipo de intercorrência, você não contará com uma estrutura médica adequada de suporte emergencial, colocando em risco sua vida.

Como escolher o cirurgião plástico ideal para realizar a lipoescultura?

Como você já sabe, para garantir o maior sucesso na solução da incômoda bananinha no bumbum sem qualquer prejuízo à sua saúde, é preciso ter muito cuidado na hora de escolher o cirurgião plástico que vai realizá-la. Saiba a que pontos você deve estar atenta:

1. Cheque as credenciais do profissional

Nunca faça nenhum tipo de procedimento cirúrgico estético com um médico que não seja membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Para descobrir se o profissional com quem você vai se consultar está filiado a SBCP, basta fazer uma consulta ao site da instituição.

Também é importante verificar se o cirurgião plástico tem experiência nessa técnica, para evitar equívocos que possam comprometer o resultado final. Verifique se o médico mantém participações em cursos de especialização no Brasil e no exterior; isso demonstra que o profissional tem interesse em manter-se atualizado sobre as mais modernas técnicas e procedimentos, e investe no seu aperfeiçoamento constante.

2. Conheça as impressões de pacientes

Poucas coisas falam tanto sobre a credibilidade e habilidade de um médico como a satisfação de pacientes que já se submeteram a procedimentos cirúrgicos com ele.

Por isso, cheque as redes sociais e o site oficial do cirurgião plástico para verificar se há depoimentos de pacientes satisfeitas com os resultados obtidos e com o atendimento prestado. Converse longamente com ele sobre suas expectativas e os resultados que poderão ser obtidos com a realização do procedimento para alinhar desejo x realidade.

3. Desconfie de milagres

São poucos os casos de quem busca um profissional para fazer uma cirurgia plástica com orçamento ilimitado.

No entanto, é igualmente importante desconfiar de cirurgiões plásticos que fazem ofertas “milagrosas”, com preços muito abaixo daqueles praticados no mercado. Por isso, é melhor planejar-se financeiramente para fazer a cirurgia do que ceder à tentação de pagar menos e frustrar-se depois.

Lembre-se sempre de que uma cirurgia plástica envolve, além da expertise do médico que a realiza, uma série de outros custos, e que preços baratos podem comprometer não só o resultado da sua cirurgia, mas também colocar em risco a sua saúde.

4. Avalie a infraestrutura oferecida pelo cirurgião

Na hora de escolher o cirurgião plástico, avalie também a infraestrutura que o profissional dispõe para atendê-la, tanto durante a lipoescultura, como no pré e pós-operatório.

Opte por um profissional que possua uma clínica bem estruturada, mas realize as cirurgias em hospitais de qualidade reconhecida e dotados de UTI, o que garante a você total segurança se houver alguma eventualidade.

A Clínica Lange, por exemplo, realiza seus procedimentos cirúrgicos em alguns dos mais renomados hospitais da cidade de São Paulo, como o Albert Einstein, o Sírio Libanês e o São Luiz, entre outros.

Como você pôde ver, a lipoescultura é a técnica ideal para melhorar a bananinha do bumbum. No entanto, para garantir resultados efetivos e seguros, é fundamental escolher uma equipe médica de ponta, e um hospital com ótima infraestrutura.

Gostou de entender melhor as opções cirúrgicas para tratar a bananinha? Então não perca mais tempo e marque agora mesmo uma avaliação na Clínica Lange!

Assim, você poderá esclarecer todas as suas dúvidas diretamente com o Dr. Eduardo Lange, Membro Especialista e Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da International Society of Aesthetic Plastic Surgery e aliviar esse incômodo!

Share This